2011/06/09

A Espingardinha



     Essa é mais uma lembrança da saída de campo da disciplina de Biogeografia (Geografia Bacharelado, juntamente com a Biologia), realizada nos dias 21 e 22 de maio de 2011, com o objetivo de visitar os cânions do Parque Nacional de Aparados da Serra, em Cambará do Sul.

     Na sexta à noite o grupo, formado por alunos, professores e motoristas da UFSM, foi jantar no saudoso Restaurante Galpão Costaneira. Comida campeira de primeira qualidade, ambiente acolhedor, e a atração mais importante: o gaiteiro Tio Gripa, tocando clássicos da música tradicionalista gaúcha. O mais marcante deles – A Espingardinha, de autoria do músico caxiense Ernesto Nunes – foi tocada duas vezes naquela noite, a pedido dos visitantes, sim, porque é até uma injustiça chamar os clientes do restaurante de clientes, pois lá você se sente à vontade, como se estivesse no galpão de uma estância, em um domingo de manhã, com uma chaleira cheia e um mate bem cevado, um pelego estendido no banco de madeira crua e o mais importante, uma mesa com mais de vinte variedades da cachaça, e isso tudo à plena disposição dos visitantes.

     O restaurante tem aproximadamente 13 anos de existência (aberto à correção), e há, no mínimo, 12 o Seu Agripino, embala as noites de sexta e sábado na pacata cidade de cima da serra gaúcha. O Tio Gripa, como é tradicionalmente conhecido, tem uma deficiência visual, mas que não lhe impede de continuar tocando sua gaita. E como toca, ele só pára pra limpar os óculos e beber sua branquinha, que fica ao seu lado a noite inteira. Figuraça!


PS: Agradeço à colaboração dos dançarinos Anderson e Renata, que abrilhantaram o desempenho do gaiteiro.





Nenhum comentário:

Postar um comentário