2011/05/05

Zero Hora comemora 47 anos com palestras


Palestrante: Cláudia Laitano (Twitter), 25 anos de Jornalismo, editora de cultura do Segundo Caderno da Zero Hora (Grupo RBS).
Local: Audi Max (Auditório do Centro de Educação da UFSM).
Quando: Hoje (quinta-feira) pela manhã.

Mais informações sobre o evento.



Transcrição feita por mim de partes da palestra:

     “Muitas vezes o editor de cultura precisa escolher, entre vários assuntos, o tema para registrar”. Cláudia compara as publicações de seções como Política, Economia e Esporte com as publicações do caderno cultural, nessas outras seções é mais comum haver um tema chave, que faça com que todas elas voltem seu interesse para tal assunto, ao contrário do Segundo Caderno, onde isso acontece casualmente. Ela usou o exemplo da turnê de Paul McCartney, que necessitou cobertura completa por parte do caderno que ela edita no Jornal Zero Hora. Palavras dela: “Seria um equívoco não voltar todas as atenções da coluna para o show de Paul em Porto Alegre”

     “O jornalismo cultural se sente apto a construir uma cena cultural no local onde publica”. Cláudia classifica o jornalismo cultural diferentemente do jornalismo convencional, este último se utiliza de assuntos que convêm aos leitores, já o jornalismo cultural trás os assuntos ao leitor, de certa forma, influencia o leitor a consumir determinada forma de cultura, ela vê sua coluna como um painel cultural, onde certos projetos dependem dessa citação para serem visitados, usou o exemplo do FestPOA, que é um evento literário criado por cerca de dez pessoas, interessadas em realizar o evento, e que só tiveram uma visão do público após a divulgação do mesmo no Segundo Caderno da Zero Hora.

     Perguntada se o caderno cultural da Zero Hora abrange todos os públicos, ou se mantém elitista, ela confessou que a coluna prioriza, não obrigatoriamente, o público elitista, mas acrescentou que a tentativa é de atingir o público “médio” – expressão usada por ela – mas nem sempre é o que acontece.


Fotos: (Por Carolina G. Barin - Via Twitter)






Nenhum comentário:

Postar um comentário